Atualizando...
Seu carrinho está vazio.

Eu aposto que você nunca ouviu falar da marca KZ (Knowledge Zenith), e caso tenha ouvido falar, as impressões e avaliações têm se mostrado extremamente positivas. Surgindo aparentemente do nada, os fones e headsets da KZ vieram destronar todas as alternativas nas faixas de preço budget e intermediários, trazendo estruturas acústicas e designs originais que proporcionam uma qualidade sonora antes restrita a fones muito mais caros.


Uma primeira diferença já começa na nomenclatura. Não, estes não são meros fones de ouvido (earbuds). Estes são IEMs (In-ear Monitors), ou Monitores [de áudio] Intra-auriculares. Também descritos como fones HiFi (High Fidelity), ou Alta Fidelidade, são fones cujo objetivo é reproduzir o som da maneira que foi masterizado no estúdio, com o mínimo de distorções. Apesar dessa função, esse não é o objetivo de todos os modelos.


Da mesma forma que uma fotografia em RAW (sem tratamento) pode parecer sem graça, com cores mais lavadas e pouco contraste, e o público geral julgará uma foto tratada, com cores saturadas e contraste intenso mais “bonita” e agradável de se ver, o mesmo acontece com o som. Um som de alta fidelidade para uma gravação mais flat, sem grandes realces para nenhuma frequência específica, pode parecer sem graça. Agora, um som bem equalizado, enfatizando graves e trazendo clareza para os vocais pode proporcionar uma experiência sonora muito mais agradável, e muitos fones tentam já trazer essa curva sonora valorizando frequências específicas com esse intuito.

     
     
Mas afinal, quais são os principais modelos de fones KZ? Quais as diferenças entre eles? Qual é o ideal para o seu tipo de uso? Aqui na Rocketz conseguimos trazer os melhores modelos da marca, possibilitando a escolha perfeita para seus jogos e suas músicas!

Vamos agora ver modelo a modelo o que compõe cada KZ, e qual se adequa ao seu gosto:


     
Principais modelos de IEMs KZ disponíveis
      

Com impedância de apenas 16Ω e sensibilidade de 120dB, o modelo KZ ED12 traz qualidade e amplitude sonora incomparáveis, tanto para músicas de todos os gêneros como para jogos que exigem o máximo de detalhes.

Para os graves, é possível notar sua presença rica e profundidade inquestionável. Caso você goste de músicas com batidas e graves pronunciados, você não vai se decepcionar. Carta na manga deste modelo (e da nova linha KZ como um todo) é a possibilidade de equalizar o áudio de acordo com seu gosto sem a perda de qualidade. Dessa forma, é possível realçar os graves e amplificá-los para se obter o impacto basshead, popularizado por marcas como Beats e Skullcandy.


As frequências médias são bem enfatizadas neste fone de ouvido. Caso você seja sensível a este destaque, a utilização de um equalizador será necessária. Em alguns casos, os mids podem sim acabar suprimindo um pouco os highs (frequências mais altas), tornando a utilização de um equalizador ainda mais necessária para se obter a experiência ideal.


Nas frequências mais altas, é possível perceber sua presença e detalhes, mesmo com a influência dos mids mais enfatizados. Nunca desagradáveis ou estridentes, os highs neste fone conseguem cumprir seu papel e ajudam a fornecer uma experiência rica e completa.


Com design único e fios removíveis, este modelo apresenta conforto surpreendente. A parte mais próxima do fone é revestida com um material suave ao toque, porém rígido o suficiente para ser moldado por cima das orelhas. Caso você já seja familiar com este tipo de uso, não há dúvidas de que conforto não será um problema.


     
Vindo na mesma faixa de preço do KZ ED12, o KZ ZSE traz uma outra proposta com som mais voltado a quem valoriza graves e traz um som mais rico, sem a chance de agudos estridentes.

Mesmo sem qualquer equalização, é possível ouvir os graves intensos deste modelo. Se os gêneros que você escuta costuma ter batidas e sequências de baixo presentes, você certamente vai gostar de ouvi-los neste fone! Como ele já vem com este perfil como padrão, é possível equalizar para intensificá-los ainda mais, mantendo qualidade sonora.


As frequências médias são um pouco invadidas pelas frequências mais baixas. No limite mais próximo dos highs é possível sentir uma presença mais suave, e no geral o nível de detalhamento é um pouco menor do que no modelo anterior. Ainda assim, com um equalizador é possível atenuar consideravelmente esta característica.


Para as frequências mais altas, é possível notar novamente uma supressão de detalhes típica de fones de ouvido com foco nos graves. A vantagem desta característica é a ausência total de sons estridentes ou agudos muito agressivos, tornando a experiência auditiva mais aconchegante. É possível destacar os highs com equalização, com uma boa margem de ajuste sem distorções ou perda de qualidade.


O formato semelhante a uma pílula do KZ ZSE proporciona uma excelente ergonomia e conforto, sem deixar de ter um encaixe preciso e seguro. O encaixe e tamanho foram tão bem desenhados a ponto de possibilitar seu uso na cama ou usando um capacete, sem incômodo. Novamente, é importante enfatizar a excelente resposta à equalização dos modelos da KZ desta geração, e o ZSE não é exceção. 



   .
O fone KZ ZS1 é o primeiro da geração KS. Com foco em músicas pop e eletrônicas, sua principal característica são os graves mais pronunciados e de alta qualidade, sem a necessidade de equalização para o efeito. Sua estrutura acústica aliada a dois drivers dinâmicos independentes, um de 8mm de diâmetro e um de 6.8mm de diâmetro possibilitam um som rico e completo, deixando o driver de maior diâmetro responsável pelos graves e frequência mais baixas em geral, e o driver menor para os mids e highs.

O driver dinâmico de 8mm consegue, nesta estrutura, gerar uma experiência acústica profunda e intensa, suprindo a necessidade dos graves mais presentes para os fãs deste efeito. Em casos extremos, a característica dessa frequência pode chegar a ficar um pouco estrondosa, não sendo algo comum ou difícil de evitar com um equalizador.


As frequências médias sofrem um pouco com uma presença tão intensa das frequências mais graves, podendo gerar um efeito de distanciamento para vocais mais graves. Uma equalização pode auxiliar na atenuação desse efeito, mas para fins gerais, este não é o fone ideal para músicas que dependem muito de uma clareza expressiva nas frequências médias.


As frequências mais altas, assim como as médias, recebem a influência do domínio dos graves neste fone. É possível perceber a presença dos detalhes, mas nada muito intenso. Com equalização, é possível recuperar detalhes nessa frequência sem a preocupação de gerar sons estridentes ou chiados.


Este modelo, assim como outros da linha KS, apresenta um tamanho um pouco maior para possibilitar a presença dos drivers dinâmicos duplos. Quando encaixados de maneira adequada, é possível desfrutar de horas de música ou jogos com um nível de conforto respeitável.



      
O primeiro modelo de driver híbrido fabricado pela KZ, o ZST, traz uma proposta interessante em flexibilidade sonora em um formato relativamente compacto. Com o mesmo formato externo do ED12, ele consegue incorporar um driver dinâmico focado nos graves e um driver específico para frequências médias e agudas localizado próximo ao encaixe do fone no canal auditivo.

A escolha do driver para os graves mostra-se justificada pela qualidade e profundidade dos graves neste fone, mesmo antes de equalizações. Usando um amplificador e equalizador, é possível chegar a níveis de graves com profundidade e impacto significativamente superiores aos encontrados no ED12, nas mesmas condições.


As frequências médias são enfatizadas principalmente nos upper-mids, porém não de maneira ideal à primeira vista. Com uma equalização adequada, é possível equilibrá-los para evitar um possível desconforto nos gêneros com frequências médias predominantes.


As frequências mais altas são mais recuadas neste modelo, menos presentes sem equalização e com detalhes menos claros. Isso, é claro, não significa que a situação é irremediável. Equalizando as frequências acima dos 5kHz é o suficiente para trazer de volta detalhes e definição para essa frequência.


Em relação ao conforto, este modelo tem o formato idêntico ao do modelo ED12, trazendo o mesmo nível de conforto. Sua principal diferença é no peso. O KZ ZST é um pouco mais pesado devido à presença do driver voltado a agudos além do driver para graves. Isso não influencia no conforto e o aumento de peso não é significativo o suficiente para causar fadiga.



     
    

Os próximos dois modelos apresentam uma característica em comum, porém extremamente rara no mercado de fones de ouvido de maneira geral, e até o momento presente apenas em modelos profissionais premium com preços exorbitantes. Eles compõem sua estrutura com quatro drivers especializados em frequências específicas para que, combinados, consigam fornecer a melhor qualidade de áudio possível, independente da frequência de som. Isso só é possível com o uso de dois tipos de drivers de áudio diferentes: drivers dinâmicos e drivers de armadura balanceada (balanced armature).


Drivers dinâmicos, ou drivers de bobina móvel, possuem uma melhor performance para reproduzir frequências mais baixas e médias. Eles funcionam movendo ar com um diafragma, e são mais comuns em fones de maneira geral, variando em tamanho (medido em diâmetro). Usam como base a relação de magnetismo e eletromagnetismo para gerar o movimento, e são o tipo de transdutor de energia elétrica para acústica mais eficientes do ponto de vista de custo de produção, daí sua popularidade.


Já os drivers de armadura balanceada (balanced armature) são menos comuns em fones de maneira geral. Sua principal diferença é a capacidade de afinação para uma performance superior em determinadas frequências, porém sem a resposta intensa presente nos drivers híbridos dinâmicos para frequências mais baixas.


Eles são chamados dessa forma pela sua estrutura. Para gerar o som, uma corrente elétrica passa por uma bobina suspensa entre dois ímãs. As mudanças na corrente elétrica causam atração entre a bobina e os ímãs, e essas variações no campo magnético movem a armadura milhares de vezes por segundo. O diafragma é conectado à armadura, e seu movimento é o que produz o som que podemos ouvir. O nome é “armadura balanceada” justamente por não haver uma força líquida aplicada sobre a armadura quando ela se encontra centralizada no campo magnético.


Diferente dos drivers dinâmicos, os drivers de armadura balanceada não movem ar para gerar som, e apresentam performance superior para reproduzir frequências mais altas. Devido a maneira que o som é gerado, estes drivers são capazes de apresentar uma resposta mais rápida e gerar um som com mais detalhes.

    
     

Um modelo ambicioso com configuração de quatro drivers, cabos destacáveis e preço extremamente competitivo quando comparado às demais opções equivalentes no mercado, o KZ ZS5 é um dos fones top de linha da KZ com o objetivo de entregar qualidade e flexibilidade de equalização em todas as faixas de frequência.


Os drivers presentes são divididos em dois tipos. Dois drivers dinâmicos híbridos e dois drivers de “armadura balanceada”. O driver dinâmico híbrido de 10mm de diâmetro é responsável pelas frequências mais baixas. O segundo driver dinâmico híbrido, este com 6.4mm de diâmetro é responsável pelas frequências intermediárias. O driver de armadura balanceada 30095 fica responsável pelos agudos, associado ao segundo driver do mesmo tipo, no modelo 1205.


Nem é preciso dizer que a performance deste fone é surpreendente. Um detalhe a ser notado logo de início, no entanto, é um volume um pouco mais baixo do que outros modelos da marca, como KZ ED12 e o KZ ZST. Para chegar na mesma intensidade desses fones, é necessário aumentar em 30% o volume no reprodutor utilizado.


Contando com seu driver dedicado, os graves presentes nesse fone são ricos e profundos, com grande intensidade e força para suprir as necessidades dos gêneros musicais que mais exigem dessas frequências. Caso seja de seu gosto, o driver usado dá margem para intensificar essa frequência ainda mais com o uso de equalizadores sem perder qualidade e precisão.


As frequências médias são igualmente bem representadas pelo segundo driver dedicado. Na maneira na qual o fone foi projetado, no entanto, é possível notar que essa frequência pode ser percebida como um pouco distantes, influenciadas pelos graves tão presentes e intensos gerados no outro driver dinâmico. Isso não quer dizer que a frequência não apresenta boa performance, e os mids neste fone são quentes e suaves. Caso essa característica não seja a desejada pelo ouvinte, a aceitação dessa frequência para equalização permite a customização para mids mais próximos e intensos.


As frequências mais altas neste fone são originárias dos drivers de armadura balanceada, e trazem uma quantidade significativa de detalhe e brilho (porém é importante dizer que há mais detalhe do que brilho). Quem tem preferência por gêneros com presença predominante de agudos não irá se decepcionar. O uso de um equalizador é recomendado para que prefere mais brilho nessa frequência, porém sem exageros, pois equalizações mais extremas podem trazer sons mais estridentes e chiados indesejáveis.


Com o tipo de utilização com o fio sobre o ouvido e encaixe confortável e seguro, o tamanho do fone não é um problema. Caso encaixado corretamente, não há motivos para desconforto ou fadiga, ainda mais pela leveza do fone em contraste ao seu tamanho.

      
     
O fone KZ ZS6 apresenta, assim como o modelo KZ ZS5, quatro drivers por fone, sendo dois drivers dinâmicos (de 10mm e 6mm de diâmetro) e dois drivers de armadura balanceada. Esse tipo de configuração é rara, normalmente encontrada em fones que chegam a custar 50 vezes mais do que o ZS6.

A primeira grande diferença entre o ZS6 e o ZS5 é o material de construção externa do fone. O ZS6 é construído em alumínio, e apresenta uma grade metálica que sugere um design aberto. O ZS5, por outro lado, apresenta construção em plástico e não apresenta nenhuma grade. As especificações técnicas entre eles também são diferentes. A frequência de resposta do ZS6 é de 7-40.000Hz, enquanto a so ZS5 é a mais tradicional 20-20.000Hz. A impedância difere em apenas 1Ω (ZS6 com 15Ω contra o ZS5 com 16Ω) e com sensibilidades próximas (105dB para o ZS6 e 106dB para o ZS5).


Outra diferença importante entre o ZS5 e o ZS6 é o volume do output. O ZS6 não sofre do volume reduzido de saída do ZS5, e consegue apresentar graves intensos e incrivelmente profundos. O ZS6 consegue entregar performance nessa frequência sem deixar nada a desejar, mesmo em gêneros como EDM, e faz isso sem sufocar as demais frequências. Com equalização, a potência e profundidade conseguem ser extremamente enfatizados, mantendo qualidade sonora e sem distorções.


As frequências médias do ZS6 são quentes e apresentam clareza nos vocais mais baixos, mesmo com uma pequena invasão de graves neste intervalo de frequência. As frequências médias mais altas são bem equilibradas, nem tendendo para um distanciamento, nem para presenças mais estridentes. Com equalização, é possível destacar esta frequência e aumentar sua clareza. Com equalizações mais extremas, no entanto, algumas distorções podem aparecer.


A sofisticada configuração híbrida deste fone resulta em agudos brilhantes e com uma quantidade de detalhes surpreendente. Tudo isso sem gerar picos estridentes ou chiados nos agudos mais extremos. Para gêneros com muitos detalhes e sensíveis a clareza dos agudos, um equalizados consegue intensificá-los ainda mais, adicionando brilho e detalhes sem distorções. Realmente impressionante.


O formato do fone pode parecer grande, e sua construção em metal poderia indicar um possível desconforto por um peso mais expressivo. Felizmente, nada disso é verdade. O alumínio usado consegue oferecer uma qualidade de construção superior sem adicionar peso expressivo, e o tamanho, apesar de um pouco maior do que earbuds convencionais, não se mostra um problema ao conforto, ainda mais com a maneira com a qual é usado, com o fio passando sobre o ouvido. O encaixe é firme e passa segurança, e o conforto proporcionado permite longas horas de uso sem qualquer sinal de dor ou desconforto.


A resposta a equalização foi, no mínimo, surpreendente. Não importa se o perfil utilizado tinha como objetivo intensificar os graves, tornar os mids mais claros e presentes ou aumentar o brilho e detalhes dos agudos, o fone respondeu sem hesitar.

     
     
Escolhendo o fone ideal
O mundo dos IEMs (In-ear Monitors) é extremamente extenso e complexo, e caso ele nunca tenha chamado sua atenção, não se culpe. Há até não muito tempo, seu uso era exclusivo de pessoas dispostas a investir muito para se obter uma experiência sonora diferenciada.

Com uma linha de produtos como esta da KZ, este tipo de experiência foi disponibilizada a uma fração do preço, e com variedade ampla entre configurações e tipos de uso.


Entendo melhor o que compõe um fone de ouvido e o impacto de seus elementos na geração do som possibilitam uma escolha mais informada e direcionada ao seu tipo de uso, e este é o objetivo deste texto.


Caso tenha alguma dúvida, não deixe de mandar uma mensagem pelo nosso formulário de contato aqui no site! Temos certeza de que conseguiremos ajudá-lo a escolher o IEM que irá proporcionar a melhor experiência sonora para o seu uso!



   .