Atualizando...
Seu carrinho está vazio.

Por muito tempo o principal conselho para se melhorar a performance de um computador que começava a mostrar sinais de seu tempo de uso era de se adicionar mais memória. Hoje esse conselho mudou para a substituição de um HD convencional para um SSD, o que realmente impacta muito não só o tempo de boot como o de carregamento de programas e cópia de arquivos em geral.


Ainda assim, memória insuficiente pode ser um fator responsável por uma performance inferior ao que seu sistema tem capacidade de prover. Mas por que pouca memória deixa o sistema mais lento?



Antes de mais nada, uma visão geral sobre como os componentes funcionam em um computador para possibilitar a execução de programas. O sistema operacional e os softwares instalados ficam armazenados em uma memória não-volátil, também conhecida como permanente, como um HD ou SSD. Isso é necessário porque, ao desligar o computador, é importante que essas informações fiquem salvas para o próximo boot. Caso contrário, seria preciso reinstalar o sistema operacional e programas necessários toda vez que o computador fosse desligado.


O processador, por sua vez, lê as informações do HD ou SSD, e copia as partes necessárias para a memória RAM, ou Random Access Memory (Memória de Acesso Aleatório). Esse tipo de memória, diferente de HDs ou SSDs, não tem capacidade de guardar informações quando o computador é desligado. Por isso é chamada de memória volátil, ou temporária. Com as informações carregadas na memória RAM é possível trabalhar com o programa, seja abrir uma planilha, um vídeo no navegador ou um software de edição de imagens e vídeos.


Uma das principais diferenças entre a memória RAM e os tipos de memória permanente é a velocidade de leitura e latência. O que isso significa? Isso quer dizer que ler e escrever informações da memória RAM é muito mais rápido, e o tempo entre o pedido de leitura e o início da leitura da informações é também muito superior.





Em uma situação ideal, tudo o que o programa precisa acessar cabe na memória RAM disponível no sistema utilizado. Dessa forma, cada pedido de leitura e escrita é respondido de maneira quase que instantânea, e o resultado é uma experiência fluida, sem travamentos ou tempos de espera para o programa executar a função requisitada.
Mas o que acontece quando o programa precisa de mais espaço do que a memória disponível? Aí que começa o problema! Não, o programa não vai parar de funcionar porque acabou a memória. O que existe nesse caso é o processo de paginação da memória, no qual parte dos dados que deveria ficar nela é transferido para uma memória não-volátil (HD ou SSD). Isto abre espaço para que as novas informações sejam carregadas na memória RAM.
E quando aquelas informações que foram transferidas para o HD precisam ser acessadas? O processo se repete, passando parte da informação não utilizada para o HD, e retornando para a RAM as informações requisitadas. O grande problema é o tempo que isso leva, uma vez que mesmo um SSD é consideravelmente mais lento em leitura e escrita que uma memória RAM. É este processo de passagem de informações pra lá e pra cá para se trabalhar com mais dados do que cabe na memória que deixa o sistema mais lento, com aparentes “travamentos” entre ações.
A solução para este problema? Sim, aumentar a memória disponível, evitando o processo de paginação para o HD ou SSD. Se a razão dos travamentos e slow-downs era memória insuficiente, não tem segredo: Você precisa de mais memória. Para verificar se este é o caso, basta abrir o gerenciador de tarefas e verificar a porcentagem de memória RAM sendo usada. Caso ela esteja muito próxima dos 90% ou 100%, você provavelmente precisa de mais memória.





É claro que isso não é a única razão para um programa travar ou demorar para responder. Um editor de vídeo, por exemplo, pode parecer travar ou ficar carregando por um tempo enquanto importa muitos vídeos com altos bitrates caso esteja lendo de um HD convencional, por exemplo. O próprio programa pode ter um de seus componentes corrompidos, e acaba por demorar para responder ou mesmo interromper o funcionamento devido a esta falha.


Ficou mais fácil diagnosticar a causa de lentidão do seu sistema? Qualquer dúvida é só entrar contato! Podemos ajudá-lo a encontrar a configuração ideal para o seu workflow!